Skip to content

Sobre o livro

O surgimento da idéia

Tudo começou em 2001. Eu fazia terapia com a Márcia, minha psicóloga na época. Durante as sessões passei a refletir sobre a minha vida e a pensar em dar um novo rumo à ela. Foi em meio a isso que eu, que sempre gostei de escrever, tive a idéia de escrever um livro. Como não sabia muito bem de onde tirar tanto assunto, comecei a escrever sobre minha visão a respeitto da vida, das pessoas, da espiritualidade, do Universo. Os conteúdos trabalhados nas terapias serviram de inspiração para meus textos, que publiquei em um site que eu mesmo criei (esses textos e outros mais estão disponíveis em http://valiosavida.webng.com/atp.htm).

Mais ou menos um ano depois, em 2002, resolvi que escreveria uma autobiografia. Foi apenas o início de uma longa jornada.

——

Por que o título “Valiosa Vida”?

Valiosa Vida é o nome com o qual batizei o site que criei em 2001 para publicar meus textos. Escolhi esse nome porque minha intenção com o site era levar às pessoaas uma nova consciência, um novo modo de ver e se relacionar com todas as coisas, sobretudo, com o que é vivo, ressaltando sempre o valor da vida, nosso mais precioso bem, e o respeito, cuidado, amor e carinho que devemos ter para com ele. Foi daí que veio o nome do site e seu slogan:

“Valiosa Vida, porque a vida é mais que importante”.

Depois, em 2003, comecei a dar paletras nas quais contava minha história de vida. Peguei emprestado o nome do site e a partir de então o Projeto Valiosa Vida, além dos textos, passou a contar também com meu projeto de palestras. E o livro, que saiu só agora em 2010, por sua vez, nada mais é que a versão escrita e impressa destas palestras, logo, não poderia receber outro título que não este.

O site, os textos, as palestras, o livro, tudo faz parte de uma mesma idéia, de um mesmo traballho.

——

O processo de criação

Eu escrevi este livro ao longo de uns 6 anos, comecei mais ou menos em 2002 e terminei em 2008. Depois, passaram-se mais 2 anos até eu conseguir editá-lo. No entanto, no decorrer desses anos meus escritos passaram alguns períodos na gaveta. Muitas vezes queria seguir escrevendo, mas algo dentro de mim não deixava. Conforme fui escrevendo meus sentimentos, idéias e crenças foram se revirando, e parece que enquanto não amadurecesse certos conflitos internos não conseguiria continuar. Acabei percebendo que não adiantava forçar a barra, que o livro tinha seu tempo para acontecer, como se tivesse vontade própria (e na verdade acho que tinha mesmo).

Houve momentos, no meio do caminho, em que me parecia que eu nunca terminaria e publicaria este livro, e isso me desanimava, mas minha vontade e persistência me mantiveram firme em meu objeto. Mas não foi só isso, muitos me incentivaram e tiveram papel fundamental durante todo o processo. Acho que não seria nenhum exagero dizer que estamos falando de uma obra coletiva, feita por muitos. Se vocês soubessem a importância que teve cada vez que alguém me perguntou (e não eram poucos os que insistentemente perguntavam): “E o livro? Como vai o livro?”, entenderiam porque digo isso.

Agora, como é escrever uma autobiografia ou coisa parecida? Eu respondo. É uma viagem, uma jornada, uma aventura de autodesbravamento. É como se você vivesse tudo de novo, é um resgate de lembranças esquecidas, você começa a puxar a corda e vão surgindo detalhes, momentos, pessoas; você ri, chora, se emociona, passa a lançar um olhar mais compreensivo e carinhoso sobre si próprio, você se perdoa. Você aprende, cresce e se transforma, para melhor. Bom, pelo menos foi assim pra mim.

Eu escrevi o livro praticamente todo à mão, o que hoje já não seria possível, pois só consigo escrever no computador, digitando letra por letra com o mouse no teclado virtual. O que acontece é que poucas semanas após ter terminado de escrever o último capítulo, em setembro de 2008, tive uma pneumonia forte e fiquei hospitalizado por um mês. Voltei para casa traqueostomizado, respirando com auxílio de um aparelho e com uma condição física pior da que eu tinha até então. Ainda hoje, dois anos depois, continuo fazendo uso de traqueostomia e dependendo do aparelho respirador (BiPAP). Portanto, minha condição física atual é bem diferente da que eu tinha quando vivi as experiências relatas no livro. Quando voltei do hospital tinha um objetivo muito claro: editar e publicar meu livro. Em dezembro de 2010 consegui atingi-lo, dando fim a jornada iniciada anos antes e início a uma nova.

——

O que gostaria de dizer aos seus leitores?

Gostaria de dizer que quem ler este livro vai embarcar comigo em minha viagem pela minha vida, mas, quando menos se der conta, se verá em meio às próprias lembranças. Porque nossas vidas podem ser muito diferentes, mas lhes digo que, em certos aspectos, são bem parecidas, mais do que a gente imagina. Porque existe algo do qual todos partilhamos: a condição humana.

Desejo a todos uma agradável leitura, e espero que ela os lembre de como a vida de cada um de vocês é valiosa!

Anúncios
2 Comentários
  1. katia moratore permalink

    ola, sou paciente da caroline e gostaria de te conhecer ,tambem sou escritora,conto sobre minha vida.tive um avc,fiquei meplegica ,porque perdi só meio cerebro.mas tenho raciocinio,por isso já publiquei 2livros,estou rumo do terrceiro,mas quero conhecr outras pessoas que dão valor a vida diferente deses que se consideram normais-rsssss
    abçs
    katia

  2. sonia pedrotti permalink

    Com certeza Fê, li teu livro várias vezes e em cada uma delas, achei uma informação.Embarquei contigo, revi minha história,sorri e chorei.Parabéns amigão.
    Namastê!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: